quarta-feira, 8 de Abril de 2009

O Fundador do Cristianismo VII

"Se caíres sete vezes, levanta-te oito."

Bom chegámos à ultima postagem sob o título 'O Fundador do Cristianismo', espero que os leitores tenham conhecido melhor a figura de Cristo, no qual, ainda hoje, tal como Napoleão observou no passado, existem milhões de pessoas dispostas a morrer pelo o seu nome, pelo o Reino de Deus! Que Nossas Senhora vos abençoe!

Boa Leitura!

Esta conclusão é confirmada pelos efeitos da manifestação de Jesus, que transcendem de longe todas as capacidades e potências Humanas. A História do Cristianismo, com seus incontáveis Frutos de uma vida mais Elevada e mais Pura da Verdade e do Amor que nunca foi conhecido antes ou agora é conhecido fora da sua influência, é como um contínuo comentário da vida de Cristo, e testemunha em todas as páginas Históricas a inspiração do seu Santo Exemplo. O Poder dele é sentido em todos os dias de um Senhor com milhares de servos, nos palácios dos Reis e nas cabanas dos mendigos, em universidades e colégios, em cada escola onde o Sermão da Montanha é lido, nas prisões, nos lares, nos asilos de órfãos, assim como na casa das Famílias felizes, em trabalhos instruídos e em simples linhas de sucessão infinita. Se esta História dos nossos dias tem qualquer valor, é uma prova de que Cristo é a Luz e a vida num Mundo caído.
E não há nenhum sinal de que o seu poder seja cada vez mais débil. O seu Reino é mais difundido do que nunca, e tem a melhor perspectiva da vitória final em toda a Terra. Napoleão em Santa Helena é relatado como tendo sido surpreendido com a reflexão de que milhões já estavam prontos para morrer pelo o Nazareno Crucificado que fundara um Império Espiritual de Amor, e no entanto ninguém morreria por Alexandre, ou César, ou ele próprio, que fundaram impérios temporais pela a força. Ele viu neste contraste um argumento convincente da Divindade de Cristo, dizendo: “ Eu conheço os Homens, e eu digo-te, Cristo não era um Homem. Tudo sobre Cristo surpreende-me. Seu espírito oprime-me e confunde-me. Não há comparação possível entre ele e qualquer outro ser. Ele permanece sozinho e único.102 E Goethe, outro génio militar, de carácter muito diferente, mas igualmente acima da suspeita de parcialidade no campo Religioso, procurando nos últimos anos da sua vida no vasto campo da História, foi constrangido a confessar “se alguma vez o Divino apareceu na Terra, estava na Pessoa de Cristo,” e que “a mente Humana, não importa o quão longe ela possa avançar em qualquer Disciplina, nunca irá transcender a altura e a cultura Moral do Cristianismo como ela Brilha e Brilha no Evangelho”.
O racionalismo, ou mito, e lendárias tentativas de explicar a vida de Cristo em motivos puramente Humanos e Naturais, e de transformar os elementos miraculosos em eventos comuns, ou em inocentes ficções, são esmagados e divididos na Rocha do Carácter e Testemunha de Cristo. Os mais capazes biógrafos infiéis de Jesus professam agora o mais profundo respeito pelo seu Carácter, e louvam-no como o maior Santo e Sábio que apareceu na Terra. Mas ao rejeitar o seu testemunho sobre a Sua Origem Divina e a Sua Missão, tornam-no um mentiroso, e, ao rejeitar o milagre da Ressurreição, farão a Grande Verdade do Cristianismo um riacho sem uma Fonte, uma casa sem alicerce, um efeito sem causa. Negando os milagres físicos, eles esperam-nos que acreditemos em milagres psicológicos maiores, de fato, eles substituem os milagres sobrenaturais da História em antinaturais prodígios e incríveis absurdidades da sua imaginação. E ainda refutem-se e excedem-se uns aos outros nas absurdidades. A História do erro do Século XIX é uma História de Auto-Destruição. As hipotéticas hipóteses quase amadurecidas eram logo substituídas quando outras eram inventadas, para terem a mesma sorte, ao passo que a velha Verdade da Fé Cristã permanece inabalável, e marcha pacificamente em sua conquista contra o erro e o pecado
Em Verdade, Jesus Cristo, O Cristo dos Evangelhos, o Cristo da História, o Cristo Crucificado e Ressuscitado, verdadeiro Deus, verdadeiro Homem, é o mais Real, o mais Certo, o mais abençoado de todos os Factos. E é esta realidade que cada vez mais presente e em crescente poder que invade a Igreja e conquista o Mundo, e é esta a sua melhor evidência, como o Sol brilha no céu. Este facto é a única solução do terrível mistério do pecado e da morte, a única inspiração de uma vida de Amor a Deus e ao Homem, e a única guia para um vida de Felicidade e Paz. Sistemas construídos pela Sabedoria Humana aparecem e desaparecem na História, reinos e impérios também, mas para todos os tempos futuros Cristo permanecerá “o Caminho, a Verdade, e a Vida”.

Sem comentários:

Enviar um comentário